jornalista1

Assembleia exige explicações sobre 'máfia das tornozeleiras'

Assembleia exige explicações sobre ‘máfia das tornozeleiras’

A Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou nesta terça-feira (9) requerimento convocando o diretor-geral da Unidade Gestora de Monitoramento Eletrônica (UGME), Wadson Timo Abreu, e o diretor-adjunto do mesmo órgão, Santi Clair Sanches, para prestar esclarecimentos sobre a “Máfia das Tornozeleiras”.
Conforme denúncia noticiada na semana passada com exclusividade pelo Hoje em Dia, servidores do órgão e da empresa que fornece os equipamentos, Spacecom, estariam envolvidos num esquema de extravio de lacres de tornozeleiras eletrônicas para venda no “mercado negro”. De posse desses lacres, os detentos poderiam burlar o sistema.
A audiência para ouvir os dirigentes foi marcada para o dia 25 deste mês, às 14h30. O requerimento foi apresentado pelo deputado Cabo Júlio (PMDB). Segundo o parlamentar, representantes da Spacecom não foram listados porque a Assembleia não tem poder para convocar empresa privada.
O subsecretário de Administração Prisional, Antônio de Padova Marchi Júnior, também foi chamado a participar da audiência, mas como convidado. A UGME é vinculada à Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), que, por sua vez, é subordinada à Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds).
De acordo com o deputado, os dirigentes devem esclarecer o “sumiço” de cerca de 450 lacres apenas no mês de maio. “A gente espera descobrir por que não foi feito inquérito policial, já que o fato é grave. Ou seja, houve conivência de quem e por quê?”. O parlamentar espera que o sistema seja remodelado.
Dinheiro sujo
Conforme relato de um servidor da segurança pública a que o Hoje em Dia teve acesso, cada lacre extra custaria de R$ 500 a R$ 5 mil, dependendo do poder aquisitivo do “cliente”.
Nesta terça-feira (9), a assessoria de imprensa da Seds informou que o secretário Bernardo Santana não recebeu nenhuma denúncia sobre o tema. A primeira reportagem sobre o esquema foi publicada há cinco dias, na quinta-feira.
O presidente da Spacecom, Savio Bloomfield, afirmou que os lacres são entregues à Seds e ficam de posse do órgão. “O funcionário da empresa é apenas suporte técnico e ele fica na central de monitoramento sem nenhum contato com o preso”, reforçou.
Segundo ele, não é possível burlar o sistema apenas violando o lacre mecânico. “Para retirar o equipamento, é necessário quebrar o lacre e assim remover a cinta de fixação. Quando se retira a cinta, a tornozeleira, através da fibra óptica, detecta e registra o evento no sistema auto

Polícia prende suspeitos de envolvimento em morte de agente penitenciário Wesley Fabrício Ribeiro, de 25 anos, foi assassinado a tiros, em 20 de abril, quando seguia para o trabalho no presídio regional

Posted: 10 Jun 2015 05:58 PM PDT

 
 
A Polícia Civil prendeu, na manhã desta quarta-feira, dois suspeitos de envolvimento na morte do agente penitenciário Wesley Fabrício Ribeiro, de 25 anos, assassinado a tiros quando seguia para o trabalho em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais. O crime foi no dia 20 de abril. Wesley era servidor da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) há apenas cinco meses e foi morto a caminho do presídio regional. 
 
De acordo com a Delegacia de Homicídios de Montes Claros, os suspeitos foram presos em Araxá, no Alto Paranaíba. Além deles, foram presos outros três homens envolvidos em outros homicídios. A polícia montou uma operação, denominada Cavalo de Tróia, para buscar esses suspeitos na manhã de hoje.
Os nomes dos suspeitos de matar o agente penitenciário não foram divulgados porque o caso segue em segredo de Justiça. A Vara do Tribunal do Júri de Montes Claros decretou a prisão temporária de 30 dias para os dois. 
 
A polícia apurou que os envolvidos na morte de Wesley estavam articulados para atrapalhar as apurações e se eximir da responsabilidade penal sobre os fatos. Há indícios de participação de outras pessoas no caso, mas que ainda não tiveram prisão decretada.
 
O CRIME O assassinato ocorreu por volta das 6h. Os suspeitos armados atacaram Wesley bem próximo ao presídio e fugiram em uma motocicleta. Na época, o delegado Bruno Rezende Silveira, responsável pelo caso, levantou a possibilidade de a ordem para o crime ter partido de dentro da unidade prisional.
 
FONTE: EM.COM.BR

Maestro José Henrique Martins (ZECA) é nomeado para dar continuidade ao Coral de Presos do Sistema Prisional de Minas

Posted: 10 Jun 2015 01:44 PM PDT

Parabéns Maestro Zeca!
 
 
TUDO O QUE EU SONHEI UM DIA....COMO DEUS É BOM!!!!
SAIU HOJE NO IOF, 09/06

AGORA TEREI UMA GRANDE MISSÃO PELA FRENTE....COORDENAR EM TODAS AS UNIDADES PRISIONAIS DO ESTADO, PROJETOS E IMPLANTAÇÕES DA ÁREA DE MÚSICA COMO FORMA DE RESSOCIALIZAÇÃO E HUMANIZAÇÃO.
OBRIGADO A TODOS QUE TORCERAM E SE DOARAM POR MIM!!!
 
 

Comentar

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto  acervo         jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web