jornalista1

Sete advogados foram suspensos pela OAB por envolvimento com facções criminosas no Ceará

presos oab advogados faccao sap ceara As facções criminosas se cercam de estratégias para alavancar o tráfico de drogas e, mesmo com as lideranças presas, não perderem a chance de se comunicarem entre si. Nos últimos anos, investigações e prisões em flagrante de advogados no Ceará revelaram que em uma minoria das vezes os representantes jurídicos são ponte para o intermédio no 'leva e traz' de informações com teor criminoso. De 2019 até a última sexta-feira (17), sete advogados foram suspensos pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Secção Ceará, por envolvimento com facções no Estado.

De acordo com o levantamento disponibilizado pela OAB, o Tribunal de Ética e Disciplina (TED) abriu procedimentos internos disciplinares para todos os sete advogados. Mas como nenhum deles foi concluído nomes e detalhes sobre os envolvidos não podem ser divulgados. Até então, todos os procedimentos permanecem em trâmite e por isso não houve nenhuma punição máxima, que se trata da exclusão ou perda permanente do direito à advogar, nesses casos devido à ligação com organização criminosa.

Apesar da Ordem não mencionar quem foram e os prazos exatos da suspensão de cada um, a reportagem levantou informações sobre sete advogados que tiveram seus nomes expostos nos últimos anos por condutas relacionadas às facções. São eles: Alberto Lucas Nogueira Lima, Elisângela Maria Mororó, Rafael Paulino Neto, Lucas Arruda Rolim, Alaor Patrício Júnior, Samya Brilhante Lima, e o fato mais recente envolvendo o suspeito Júlio César Costa e Silva Barbosa.

Investigações da Polícia Civil mostram que parte dos advogados chegaram a ajudar na ação de fuga de detentos encarcerados nas unidades prisionais em Itaitinga

O QUE DIZ A OAB

O diretor de Prerrogativas da OAB-CE, Márcio Vítor de Albuquerque, especifica que foram dois casos registrados em 2019, três em 2020, e dois em 2021. Segundo Márcio Vítor, quando um advogado comete alguma infração disciplinar, é obrigação da Ordem apurar na seara administrativa e, se ficar percebido um possível crime, o Tribunal de Ética e Disciplina entra em ação.

"O próprio estatuto da OAB prevê sanções, como censura, suspensão, multas, e a pior medida, a exclusão do advogado. Podemos dizer que nesses casos em específico inicialmente houve uma suspensão cautelar de 90 dias, e em alguns até mesmo prorrogação dos prazos. Alguns respondendo ao processo  tiveram direito cautelarmente a advogar, mas os processos ainda podem findar em uma exclusão. Tudo isso demanda uma apuração", disse o diretor.

30 mil advogados na ativa no Ceará

O número mostra que, se comparado ao todo, casos de representantes jurídicos que se aliam às facções são raros

BILHETES APREENDIDOS 

Na última semana, Júlio César Costa e Silva Barbosa foi detido em flagrante na Unidade de Segurança Máxima do Ceará, em Aquiraz. Ele teria entregue um bilhete ao detento Paulo Henrique Oliveira dos Santos, 31, o ´Sassá´, que é apontado pelas autoridades como um dos chefes no Ceará de uma organização criminosa carioca. A reportagem apurou que na saída do atendimento ao detento, o advogado se recusou a mostrar o papel.

Conforme o próprio advogado, ele vinha exercendo função de informar aos presos o que estava acontecendo no 'mundo do crime' do lado de fora do cárcere. Um dos bilhetes tinha mensagem sobre um território dominado pela organização. Em troca de repassar a informação, o advogado recebia R$ 300 a cada encontro, contou Paulo Henrique aos policiais. Júlio segue preso até então.

bilhete

Legenda: Consta nos autos que o advogado tentou esconder o bilhete na saída da unidade prisional

Este não foi o primeiro flagrante de um advogado em posse de bilhetes após visita a um 'cliente' em presídio no Estado. No ano de 2019, Alaor Patrício Júnior foi preso em flagrante em um episódio similar. Alaor, também advogado, tinha quase 30 papeis nos bolsos e espalhado pelo corpo.

Todo o material foi recolhido e passou por perícia, precisamente um exame grafotécnico. Após análise, a Polícia Civil do Ceará disse que eles apresentam conteúdos com  "menções de cunho criminoso com referências a organizações criminosas, tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo, ameaça, auxílio para fuga de presos". 

Alaor foi solto apesar do parecer do Ministério Público do Ceará (MPCE) a favor da continuidade da prisão devido ao flagrante. Meses depois ele foi novamente preso e transferido ao Sistema Penitenciário do Ceará. O advogado admitiu a posse dos bilhetes e disse nos autos que foi forçado a entregar as mensagens, mas não poderia informar a identidade de quem o ameaçou.

OUTROS CASOS

Ainda no ano de 2019, a  Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) instaurou inquérito para apurar conduta dos advogados Alberto Lucas Nogueira Lima, Elisângela Maria Mororó, Rafael Paulino Neto e Lucas Arruda Rolim. 

À época, o delegado titular Harley Filho disse que Alberto e Elisângela seriam cúmplices de um plano que visava ajudar na fuga de líderes de uma facção criminosa.  Alberto Lucas era responsável por passar para detentos os detalhes do plano. Ambos levavam vida luxuosa em Recife.

Em outro núcleo estava o advogado Rafael Paulino. Para a Draco, Paulino era responsável por levar e trazer ordens de dentro do presídio. Consta nos autos do processo contra ele um relatório com diálogos mostrando Rafael na condição de membro da parte logística de uma facção carioca. Ele foi solto em março de 2020, para ficar monitorado com tornozeleira eletrônica.

Já sobre Lucas Arruda Rolim, o delegado Harley Filho disse que ele passou a ser investigado pela Draco após a prisão de uma mulher, em Maracanaú. Identificada como Claudiana, ela foi capturada com um quilo de cocaína e artefatos explosivos.

"Na análise do celular da Claudiana, nós identificamos um diálogo mantido entre ela e o advogado Lucas Rolim, em que ele indagava sobre um veículo para a fuga de um dos presos que era cliente dele. Durante o cumprimento de um mandado de busca, encontramos diversos bilhetes feitos à mão. Casou perfeitamente com o resultado da extração do celular da mulher. Ficou evidenciado que ele tinha a função de articular o interesse dos presos e repassar para o mundo externo", afirmou o investigador.

Nós não aceitamos que haja uma mácula generalizada em desfavor da advocacia criminal. Nas unidades penitenciárias, centenas de advogados estão indo semanalmente trabalhar. Agora, se há o desvio de uma situação bem isolada, como o caso que houve nessa semana, a OAB, a Justiça, a Polícia devem apurar.

Márcio Vitor Albuquerque

Diretor de Prerrogativas da OAB

Por fim, outro episódio com repercussão envolve o nome da advogada Samya Brilhante. Ela foi presa já em 2021, em Santa Catarina. A mulher é suspeita de integrar uma organização criminosa no Ceará e teria função, conforme a PC, de mensageira de chefes de facções criminosas presos para outros membros dos grupos. Ela nega pertencer a qualquer grupo criminoso.

Samya ainda em passagens pela Polícia pelos crimes de receptação e é suspeita de acessar, de forma fraudulenta, processos judiciais que se encontram em segredo de Justiça. Segundo o delegado Wilson Camelo, atualmente na Delegacia de Combate às Ações Criminosas Organizadas (Draco), a advogada ia "para dentro dos presídios conversar com as lideranças das facções e trazer orientações para os criminosos em liberdade, inclusive relacionadas a quem iria assumir determinados pontos de tráfico de drogas".

Fonte:https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/

Traficantes que cortaram cabelo de adolescentes por conversa no WhatsApp serão investigados por tortura

Foto das cinco jovens com os cabelos cortados à força está circulando nas redes sociais A 33ª DP (Realengo) segue trabalhando para identificar os envolvidos em vídeos que viralizaram nas redes sociais nos últimos dias. Nas imagens, cinco jovens, todas aparentando ser menores de idade, têm os cabelos cortados por traficantes. O registro teria sido gravado na comunidade do Nogueira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, e o motivo da agressão seria uma conversa entre as adolescentes em um grupo fechado no WhatsApp. Segundo o delegado Rodrigo de Barros Piedras Lopes, titular da delegacia, os responsáveis pelo ataque podem ser enquadrados no crime de tortura.

Até o momento, ninguém denunciou o ocorrido à 33ª DP, que abriu um inquérito a partir do conteúdo que circula na internet. Os investigadores ainda tentam identificar quem são as cinco vítimas que aparecem nas gravações. Outra prioridade da polícia é localizar possíveis testemunhas do ocorrido, que podem ser convocadas a depor.

Relatos de moradores, ainda não confirmados pela investigação, indicam que comentários feitos pelas cinco jovens na conversa particular, relativos a um dos chefes do tráfico na região e à esposa dele, chegaram ao conhecimento do bandido, que ficou contrariado. Ele teria, então, ordenado a punição ao grupo.

Em um dos vídeos, jovem esconde o rosto e chora enquanto tem as tranças cortadasEm um dos vídeos, jovem esconde o rosto e chora enquanto tem as tranças cortadas Foto: Reprodução

Em uma das gravações que vem sendo compartilhada, uma voz masculina ao fundo ironiza, enquanto uma das vítimas tem o cabelo cortado: "É muito bom fazer fofoca". Visivelmente constrangida, a adolescente ouve outros comentários, como ordens para olhar para a câmera ou para sorrir.

Em outro vídeo, uma adolescente de tranças esconde o rosto com as duas mãos e chora durante o corte forçado das madeixas. Em um terceiro registro, um homem pergunta para a vítima: "Tá ficando careca por causa de quê? Fez o quê?" Em seguida, ele próprio questiona se a jovem "fez fofoca sobre a mulher dos amigos", no que ela concorda.

"Pô, dando molinho, parceiro. Cria do morro, podendo estar fumando só um baseadinho, tranquilona", retruca a voz masculina ao fundo. Além das gravações, também circula pelas redes uma foto das cinco vítimas sentadas lado a lado, todas com os cabelos cortados.

Adolescente tem o cabelo cortadoAdolescente tem o cabelo cortado Foto: Reprodução

 

Fonte: https://extra.globo.com

Caça da FAB intercepta e derruba aeronave no norte do Mato Grosso

 A Força Aérea Brasileira (FAB) interceptou por volta das 19 horas (horário de Brasília) desta terça-feira (7), no norte do Mato Grosso, uma aeronave de pequeno porte que entrou no espaço aéreo brasileiro sem autorização. As aeronaves de defesa aérea A-29 Super Tucano dos esquadrões 3º/3º GAV (Esquadrão Flecha) e 2º/3º GAV (Esquadrão Grifo), e o avião radar E-99 do 2º/6º GAV (Esquadrão Guardião) foram empregados para monitorar e interceptar o avião.

Os pilotos de defesa aérea seguiram o protocolo das medidas de policiamento do espaço aéreo brasileiro, interrogando o piloto da aeronave, mas não obtiveram resposta. Nesse momento, a aeronave foi classificada como suspeita, conforme previsto no Decreto 5.144, de 16 de julho de 2004.

Na sequência, os pilotos da FAB ordenaram a mudança de rota e o pouso obrigatório em aeródromo específico, porém o piloto do avião interceptado não obedeceu. Foi necessário, então, que a defesa aérea comandasse o tiro de aviso. Ainda sem retorno, a aeronave foi considera hostil, e foram realizados os procedimentos de tiro de detenção, acertando a aeronave.

Após a execução do tiro de detenção, a aeronave danificada, que não tinha plano de voo e entrou no espaço aéreo do Brasil pela fronteira da Bolívia, fez pouso forçado num descampado, no norte do estado do Mato Grosso. A partir de então a Polícia Federal assumiu as Medidas de Controle de Solo (MCS). O piloto ainda conseguiu se evadir antes da chegada dos policiais e na aeronave foram encontrados mais de 200 quilos de cloridrato de cocaína.

De acordo com o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), os radares identificaram a aeronave entrando no espaço aéreo brasileiro. O avião, sem contato com o controle, descumpriu todas as medidas de policiamento realizadas, mostrando-se hostil.

A ação faz parte da Operação Ostium para coibir ilícitos transfronteiriços, na qual atuam em conjunto a Força Aérea Brasileira e a Polícia Federal, e contou com o apoio do Grupo Especial de Fronteira (GEFRON)/MT, do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAER)/MT e das Polícias Militares dos estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul.

A FAB trabalha diuturnamente na garantia da soberania do espaço aéreo brasileiro. Essa ação, realizada na data da Independência do Brasil, mostra que o Sistema de Defesa Aérea do Brasil atua de forma permanente, 24 horas por dia, para garantir a soberania do País.

A aeronave envolvida no crime é um Cessna C182 de matrícula PT-INM, registrada em nome de TERRA NORTE EMPREEND.RURAIS E COM.SA e que possui o certificado de aeronavegabilidade vencido desde 2018, segundo dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB). A TERRA NORTE, por sua vez, informou que “o avião foi regularmente vendido em 21/01/2019 para o Sr. Maicon Prussak, tendo sido realizado o respectivo comunicado de venda e alteração do operador no RAB”.

Informações da FAB

Fonte: https://www.aeroin.net

PF prende 12 suspeitos de tráfico internacional de drogas; quadrilha utilizava mergulhadores e levava cocaína para a Holanda

2 Cerca de 60 agentes cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão no Rio de Janeiro e no Espírito Santo, na manhã desta terça-feira (24).

A Polícia Federal (PF) prendeu, na manhã desta terça-feira (24), 12 suspeitos de tráfico internacional de drogas — oito no Rio de Janeiro e quatro no Espírito Santo. Cerca de 60 policiais federais saíram para cumprir ainda 15 mandados de busca e apreensão na Operação Tamoios.

Segundo as investigações, a quadrilha utilizava pequenas embarcações e até mergulhadores para transportar drogas do Rio para o Espírito Santo. Nos terminais de carga capixabas, embarcavam os entorpecentes em navios de linha para a Europa, principalmente para o Porto de Roterdã, na Holanda.

A PF afirma que os traficantes se disfarçavam de pescadores e de mergulhadores recreativos para tentar despistar a polícia.

Operação Tamoio: drogas eram escondidas por mergulhadores dentro dos cascos de cargueiros — Foto: Arte G1

A PF já apreendeu, ao longo das investigações:

  • 200 quilos de cocaína;
  • 14 veículos de luxo;
  • seis imóveis de alto padrão nos municípios do Rio e Mangaratiba, no Rio de Janeiro, e em Guarapari, no Espírito Santo;
  • R$ 827 mil em espécie.

Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. A investigação durou cerca de dois anos e contou com o apoio da Capitania dos Portos.

Fonte: https://g1.globo.com

Policial entra em posto de combustível para abastecer viatura e faz a maior apreensão de drogas em MG de 2021

PRF em Frutal faz maior apreensão de drogas em MG Segundo a PRF, foram apreendidas 5.152 kg de substância análoga à maconha na BR-364, em Frutal. Entorpecente era levado em reservatório transportado por caminhão e duas pessoas foram presas.

Na manhã deste domingo (15), ao abordar um caminhoneiro, na saída de um posto na BR-364 em Frutal, para informar que a carga estava mal acondicionada na carroceria, policiais rodoviários federais fizeram a maior apreensão de drogas já realizada em Minas Gerais neste ano, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Mais de 5 toneladas de substância análoga à maconha foram apreendidas e duas pessoas foram presas. A Polícia Federal investiga a origem da droga.

Até então, o recorde de apreensão também havia ocorrido durante uma ação da PRF em Uberaba. No último dia 26 de julho, policiais encontraram mais de 3 toneladas de maconha na BR-262, entre Uberaba e Campo Florido.

De acordo com a ocorrência registrada pela PRF, por volta das 5h15, no km 32, policiais que estavam em atividade de ronda entraram em um posto de combustível para abastecer a viatura. No local, notaram a movimentação de um caminhão com carga mal ancorada, que poderia comprometer a segurança viária.

O veículo transportava uma caixa metálica, espécie de reservatório e já se deslocava para acessar a BR-364

Os policiais decidiram realizar a abordagem para orientar o motorista sobre as providências necessárias quanto à segurança. Ao questionarem motorista e passageiro sobre origem e destino da carga, eles apresentaram bastante nervosismo, inquietude e entraram em contradições em algumas informações prestadas, segundo a polícia.

Caminhão com carga de mais de 5 toneladas de maconha apreendido na BR-364 em Frutal — Foto: PRF/Divulgação

Ao serem informados pela polícia que o interior da caixa seria checado, os transportadores informaram que o reservatório estava carregado com maconha. Disseram ainda que haviam pegado o caminhão com a carga na cidade de Coxim (MS) e teriam como destino a cidade de São Paulo (SP). Eles também afirmaram que, para o transporte, receberiam R$ 5 mil cada.

Após a confissão, os envolvidos e o caminhão foram levados para a Delegacia de Polícia Rodoviária Federal em Uberaba. Após a abertura do reservatório e pesagem da carga foi constatada a quantia de 5.152 kg de substância análoga à maconha.

Os infratores foram levados para a Delegacia de Polícia Federal em Uberaba, juntamente com o caminhão e a droga apreendida.

 Fonte: https://g1.globo.com

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo    csp   jornalismoinvestigativo   fundobrasil   Monitor da Violência – NEV USP   Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web