jornalista1

Polícia estoura base operacional do PCC na zona leste de São Paulo

 A Polícia Civil estourou ontem uma base operacional usada pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital)  na Vila Formosa (zona leste de SP). No local, foram apreendidos mais de 50 armas e 18 veículos e um homem foi preso.

Segundo as investigações, conduzidas pela  5ª Delegacia da Divisão de Investigações Sobre Crimes Contra o Patrimônio, o imóvel era utilizado para distribuir drogas e armamento.

Na operação que descobriu a base, foram recolhidos mais de 20 veículos, sendo 18 carros –alguns modelos de luxo–  e quatro motos, que eram usados no transporte dos entorpecentes.

Os policiais encontraram compartimentos secretos em alguns dos veículos que eram destinados ao armazenamento dessas substâncias.

A equipe apreendeu ainda três fuzis e outras 48 armas leves como pistolas e revólveres. Foram encontrados também coletes à prova de bala e máscaras.   

Fonte: METROJORNAL

PF prende família que levava mais de 19 kg cocaína no Aeroporto Afonso Pena

 A Polícia Federal (PF) prendeu na noite deste domingo (23 de fevereiro) uma família no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). O motivo? Eles levavam cerca de 19 quilos de cocaína, droga que estava escondido em meio a produtos de higiene pessoal. 

A apreensão do entorpecente e a prisão da família, que estava com uma criança de dois anos para disfarçar o transporte da droga, aconteceu com o apoio de servidores da Receita Federal, em trabalho de rotina de fiscalização de bagagens despachadas com uso do equipamento de raio-X no Aeroporto Afonso Pena. Os agentes encontraram bagagens com grande quantidade de substâncias orgânicas no seu interior.

As bagagens foram separadas na presença dos passageiros, que se utilizavam de uma condição familiar para passar despercebido pela fiscalização. Logo se percebeu que estavam sendo levados muitos produtos de higiene pessoal, que se constatou estarem recheados com cerca de 19 quilos de cocaína. O destino da droga era a Europa, mais precisamente Lisboa, em Portugal.

Três pessoas foram presas em flagrante e conduzidas para a Superintendência Regional da Polícia Federal em Curitiba/PR. O menor foi entregue aos cuidados de parente próximo.

Fonte: BEMPARANA

Antes de matar PM, traficante foi libertado após sofrer extorsão por policiais do Bope

 Hemerson foi morto por PMs no último dia 14 Apontado como assassino de um PM do 25º BPM (Cabo Frio) durante operação em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, na semana passada, o traficante Hemerson Silveira de Souza já foi libertado após ser detido por PMs do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Na ocasião, em abril de 2013, os policiais responsáveis pela abordagem estavam à paisana e foram presos administrativamente após serem flagrados por agentes do batalhão local. À Corregedoria da PM, Hemerson — que à época não tinha mandado de prisão em aberto, mas sequer foi levado a uma delegacia — afirmou que os policiais exigiram dinheiro para não matá-lo.

Atualmente, os dois PMs que libertaram o traficante — o sargento Bruno Demke Bernardo e o cabo Cristiano Gonçalves Rosa — são réus, na Vara de Arraial do Cabo, pelos crimes de extorsão mediante sequestro e receptação. Ambos respondem ao processo em liberdade. Bernardo e Rosa chegaram a ser expulsos da corporação após o crime por decisão do comando, mas a Justiça determinou, em 2015, a reintegração dos agentes. Hoje, eles estão lotados na Assembleia Legislativa (Alerj).

Já Hemerson foi morto por policiais do 25º BPM dois dias após o homicídio do sargento Ricardo Oliveira dos Santos, em Araruama. O traficante foi reconhecido por colegas de Oliveira como um dos criminosos que atacou a patrulha. Durante revista feita pelos PMs no local após o socorro ao sargento, os agentes encontraram uma identidade falsa usada por Hemerson.

Quando o traficante foi libertado pelos policiais do Bope, os agentes que detiveram os caveiras afirmaram, em depoimento que foram abordados por uma mulher, dizendo que seu cunhado havia sido forçado por homens encapuzados a entrar num carro preto. Quando chegaram no local apontado pela mulher — conhecido como Ponta da Alcaieira, em Araruama —, os policiais flagraram Bernardo e Rosa com um carro clonado.

No momento da abordagem, os caveiras disseram que já haviam libertado Hemerson e que queriam “apenas dar um susto nele”. Já o traficante, em depoimento, afirmou que, após ter sido forçado a entrar no carro, “foi desacordado, tendo voltado a si numa praia”, onde um dos agentes anunciou que trabalhava no Bope e teria ameaçado Hemerson de morte.

O sargento da PM Ricardo Oliveira dos Santos
O sargento da PM Ricardo Oliveira dos Santos Foto: Reprodução

Comemoração com fogos

A morte de Hemerson foi comemorada pelos PMs do batalhão local. Um agente foi flagrado soltando fogos dentro da sede da 1ª Companhia do 25º BPM, em Cabo Frio, no dia em que o traficante foi morto em confronto, na favela da Figueira. Na ocasião, duas pistolas e um revólver foram apreendidos. A PM não respondeu ao EXTRA se o policial que soltou fogos no quartel foi punido pela corporação.

A Polícia Civil investiga uma possível represália do tráfico da Região dos Lagos à morte do traficante: no último dia 16 — apenas 48 horas após o homicídio de Hemerson —, outro PM do 25º BPM foi assassinado. O sargento Luiz Paulo Costa Silva foi executado com nove tiros quando deixava o batalhão após sua jornada de trabalho terminar. O carro que os criminosos usaram foi abandonado e apreendido. A polícia descobriu que o veículo foi roubado duas semanas antes do crime em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Fonte: EXTRA

PM prende homem fantasiado de 'Polícia da Maconha' no Furdunço

No colete havia a mensagem: 'PMBA - Permitido Maconha, Bora Apertar!'

 [PM prende homem fantasiado de 'Polícia da Maconha' no Furdunço] Um homem foi preso no Furdunço ontem (16), durante os festejos de pré-Carnaval de Salvador, por usar símbolos alusivos à Polícia Militar da Bahia com uma maconha no brasão da corporação. Ele utilizava um colete, chapéu de palha com folhas da cannabis e uma bermuda militar.  No colete havia a mensagem: "PMBA - Permitido Maconha, Bora Apertar!".

Segundo a PM, ele foi detido na rua Barão de Itapuã, na Barra, por policiais da 11ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), que faziam a segurança do circuito entre o trio de Armandinho e o Navio Pirata de BaianaSystem, por volta das 19h45. As fotos do rapaz detido tomaram conta de grupos de WhatsApp e redes sociais.

O folião fantasiado de PM, que não teve o nome divulgado, foi detido por apologia à maconha e uso indevido de insígnia alterada da polícia. Segundo o Código Penal, há previsão de detenção ou multa para quem instigar ou incitar publicamente o consumo de drogas. Já o Código Penal Militar (CPM) prevê pena para quem usar ou alterar distintivos ou insígnias militares. 

Fonte: METRO1

Helicóptero da PM do Paraná atua no sertão nordestino

As ações fazem parte de um esforço de algumas instituições de segurança pública para combater o tráfico nacional e internacional de drogas.Foto: SESP O Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) está com um helicóptero e uma tripulação atuando em apoio às forças federais e estaduais no Polígono da Maconha, no sertão nordestino.

O trabalho já dura quase uma semana e, nesta quinta-feira (13), houve a apreensão de uma plantação de maconha, a qual seria suficiente para produzir três toneladas da droga.

As ações fazem parte de um esforço de algumas instituições de segurança pública para combater o tráfico nacional e internacional de drogas.

De acordo com o comandante do BPMOA, tenente-coronel Julio Cesar Pucci, a área de fiscalização fica situada entre Bahia e Pernambuco, nas proximidades do Rio São Francisco. “Por se tratar de ilhas no meio do rio, os locais são de difícil acesso e somente com aeronave é possível fazer uma aproximação”, disse.

Segundo ele, os policiais fazem patrulhamento aéreo pelas áreas do sertão, e quando é descoberta uma plantação de maconha, policiais são levados de helicóptero para fazer a destruição das plantas, já que a grande quantidade impede que sejam levadas para outro local.

“É um trabalho árduo, realmente se não houvesse o apoio de aeronave a fiscalização seria mais penosa para os profissionais de segurança pública”, destacou o tenente-coronel Pucci. Segundo ele, a missão é importante para o País, pois além de reprimir o crime nos lugares mais difíceis de serem combatidos, pela grande extensão territorial, permite a aproximação das forças estadual e federal, estimulando a troca de experiências, informações e padrões de operação.

Fonte: AEN

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto  safestore1  smartseg 
universidadedotransito acervo        kennya6      alexandrejose    codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web