jornalista1

Defesa mostra extrato com R$ 19 em conta e juiz reduz fiança de piloto

 Jonas Mongenot Júnior, de 41 anos, em foto postada no Facebook (Foto: Arquivo pessoal) O juiz plantonista Luiz Felipe Medeiros Vieira reduziu de R$ 100 mil para R$ 40 mil o valor da fiança para o piloto de avião Jonas Mongenot Júnior, de 41 anos. Ele foi preso após confusão na noite de 31 de dezembro com outro morador do condomínio Jardins do Jatobá, em frente ao Shopping Campo Grande, na avenida Afonso Pena.

No pedido de liberdade provisória pelo crime de dano, a advogada Cleuza Ferreira da Cruz Mongenot, mãe do piloto, apresentou à Justiça extrato de saldo de conta bancária da esposa do preso no valor de R$ 19,16, além de declarações de que Jonas está sem emprego e passa por dificuldades financeiras. Ele não tem conta corrente ativa.

“Nobre Magistrado, com todo o respeito possível, foi arbitrado um valor excessivamente oneroso, o qual impossibilitará a prestação, e está sendo o único obstáculo para a efetivação da liberdade, haja vista que o próprio douto Juízo, na pessoa de Vossa Excelência, reconheceu que a Liberdade Provisória seria uma medida adequada para o caso”, informa a advogada, que destaca que faz a defesa do filho de forma gratuita.

Já o promotor Ricardo Benito Crepaldi deu parecer contrário à redução do valor, porque o prejuízo causado na confusão foi calculado em R$ 80 mil. Na noite de ontem (dia 4), o juiz plantonista determinou a fiança de R$ 40 mil e expediu uma nova guia para pagamento, com validade até 10 de janeiro.

“Neste momento, não há como precisar o valor integral dos danos, mas entendo que a fiança deve ser fixada em valor que possibilite ao menos garantir o ressarcimento de parte dos prejuízos causados, observando também a capacidade financeira do ora requerente. Assim, em análise superficial suficiente para há de ser reduzido o valor para R$ 40.000,00”, decidiu o magistrado.

Em outra frente, a defesa do piloto, feita pelo advogado Jaques Fortes de Andrade, pediu habeas corpus no TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), que foi negado, e também apresentou ontem pedido ao juiz plantonista para revisão do valor de fiança. Jonas está no Presídio de Trânsito.

O caso - Por volta das 23h30 de 31 de dezembro, Jonas e o filho de dez anos soltavam fogos de artifício na Afonso Pena, em frente ao prédio, para comemorar a virada do ano. Com um cachorro em casa, o advogado Munir Jorge, de 56 anos, ficou incomodado pelo barulho, desceu do apartamento e foi tirar satisfação com o vizinho.

Durante a confusão ainda na portaria, Jonas ameaçou queimar a vítima com uma espécie de laser. Munir, então, agrediu o vizinho com um soco, na frente do filho de Jonas e subiu pelo elevador.

Jonas então subiu até a casa do vizinho, arrebentou o quadro de energia, arrombou a porta da cozinha do apartamento de Munir, invadiu o imóvel e danificou vários objetos usando um extintor de incêndio.

O morador  ainda foi até a garagem e danificou a motocicleta Harley Davidson e o veículo Mercedes Bens da vítima, que teve retrovisores quebrados e a lataria riscada de ponta a ponta. O piloto disse que ficou “transtornado” após o filho ter recebido um “tapa na orelha” do advogado. 

Fonte: CAMPOGRANDENEWS

 

Comentar

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto  safestore1  smartseg 
universidadedotransito acervo        kennya6      alexandrejose    codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web