jornalista1

Os Diários Secretos e o passe livre para a impunidade

https://media.gazetadopovo.com.br/2019/08/19153337/Bibinho-7-1280x720.jpg A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal de nada valeu na sessão de quinta-feira passada, 30 de janeiro, da 1.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). Apesar de a suprema corte ter decidido, em junho do ano passado, que não existe “foro privilegiado para edifícios”, a 1.ª Câmara anulou buscas e apreensões feitas no prédio da Assembleia Legislativa em 2010. Com isso, anulou também uma das condenações de Abib Miguel, o Bibinho, ex-diretor-geral da Alep e pivô do escândalo dos Diários Secretos, revelado dez anos atrás pela Gazeta do Povo e pela RPCTV.

Na Operação Ectoplasma II, em 2010, foram cumpridos vários mandados de prisão, além de busca e apreensão nas dependências da Alep. Toda a ação ocorreu por ordem de um magistrado de primeira instância, e foi neste detalhe que advogados de defesa se apoiaram para pedir a anulação de todas as provas obtidas naquela ocasião. Apesar de nenhum dos alvos da Ectoplasma II ser detentor de foro privilegiado, afirmavam os advogados, o mero fato de os mandados de busca e apreensão serem cumpridos dentro das dependências de sede do Poder Legislativo exigiriam que a ordem tivesse vindo do TJ, e não da primeira instância, por haver a mera possibilidade de se encontrar algo que incriminasse deputados.

É terrível perceber que na principal corte do Paraná há passe livre para a impunidade

Os ex-diretores da Alep José Ary Nassif e Claudio Marques da Silva foram os primeiros a ter seu recurso analisado pela 2.ª Câmara Criminal do TJ, em 2017. O colegiado não aceitou a argumentação e manteve a validade das provas; no entanto, como houve divergência, o labiríntico processo penal brasileiro garantiu-lhes o direito a apresentar novo recurso, julgado em agosto de 2018 pela 1.ª Câmara Criminal. Ali, por unanimidade, os argumentos foram aceitos, e as provas e as condenações foram anuladas. Por mais que a tese do “foro privilegiado para edifícios” já fosse bastante frágil à época, como ressaltamos neste espaço, ainda seria possível afirmar que o caso era passível de interpretação. O precedente levou vários outros condenados dos Diários Secretos a pedir a anulação dos julgamentos que tivessem usado provas colhidas na Ectoplasma II. Em agosto de 2019, foi a vez de a 2.ª Câmara analisar o recurso de Bibinho.

Mas, naquele intervalo de um ano, o STF colocou um fim na controvérsia quando o plenário da corte decidiu pela validade das provas colhidas na Operação Métis, ocorrida em circunstâncias idênticas à Ectoplasma II: foi ordenada por um juiz de primeira instância, contra integrantes da Polícia do Senado Federal (ou seja, alvos sem foro privilegiado), e incluiu busca e apreensão dentro do Congresso Nacional. A tese vencedora era simples e óbvia: a prerrogativa de foro se aplica a pessoas, não a prédios. Só foram anuladas as escutas que incluíam conversas de parlamentares; as provas que implicavam apenas os policiais poderiam ser usadas contra eles.

Foi apoiado nesta jurisprudência que a 2.ª Câmara rejeitou o recurso de Bibinho, com os votos do relator José Maurício Pinto de Almeida e do desembargador José Carlos Dalacqua. No entanto, o terceiro membro do colegiado, Francisco Pinto Rabello Filho, votou a favor de Bibinho, ignorando a decisão do Supremo. Assim, o roteiro se repetiu: o ex-diretor da Alep recorreu novamente, e mais uma vez coube à 1.ª Câmara julgar o caso.

Clayton Camargo, relator do recurso, fez um esforço monumental para contornar a jurisprudência do Supremo. Afirmou que “parlamentares só podem ser processados perante o Órgão Especial do TJPR”, o que é verdade, embora nem Bibinho, nem os outros alvos da Ectoplasma II fossem parlamentares. Invocou a doutrina dos “frutos da árvore envenenada”, segundo a qual o produto de uma ação nula não pode ser empregado, mas ignorou que a árvore, neste caso, estava completamente sã. Afirmou que “a apreensão, eivada de ilicitude na origem e no destino, não tem salvamento constitucional”, sendo que os guardiões da Constituição já haviam determinado a licitude de uma ordem como a que levou à Ectoplasma II. Se já é acintoso que um único desembargador atropele desta forma o entendimento do STF, ainda mais lamentável foi o fato de Camargo ter sido seguido por mais dois desembargadores, Benjamim Acacio de Moura e Costa e Sérgio Patitucci. Contra a impunidade, e em defesa da jurisprudência do STF, ficaram Dilmari Kessler e Antonio Carlos Ribeiro Martins, derrotados.

Mesmo sem as provas da Ectoplasma II, continua havendo elementos suficientes para condenar Bibinho quando o julgamento for refeito na primeira instância? Sem dúvida que há, desde que a Justiça seja célere para evitar o risco de prescrição. Mesmo assim, é terrível perceber que na principal corte do Paraná há passe livre para a impunidade, até mesmo atropelando os precedentes estabelecidos pelo Supremo Tribunal Federal, tornados irrelevantes diante da simples vontade de alguns magistrados.

 

Comentar

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto  safestore1  smartseg 
universidadedotransito acervo        kennya6      alexandrejose    codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web