WhatsApp Image 2021 12 08 at 13.52.38

Corregedoria investiga pênis de borracha encontrado em academia de formação da PM

 Objeto foi deixado na mesa de um professor e pode levar a expulsão

São Paulo – A Corregedoria da Polícia Militar está investigando um acontecimento um tanto quanto inusitado: um pênis de borracha foi encontrado na mesa de um professor da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, na Zona Norte de São Paulo, no dia 12 de novembro.

Segundo a Folha de S. Paulo, a mesma pessoa que deixou o objeto no local também derramou água sobre o computador do docente. Como não havia câmeras na sala, alunos e funcionários foram obrigados a permaneceram lá até que o caso fosse resolvido. No entanto, como o autor não foi encontrado, eles foram liberados.

Mesmo tendo dado o que falar entre agentes da corporação e virado motivo de piadas nas redes sociais, o acontecimento pode ter consequências graves. A Corregedoria recolheu objetos, inclusive o pênis, para identificar as digitais deixadas nas superfícies e compará-las com as dos integrantes da academia. Caso o autor seja encontrado, ele pode até ser expulso. 

Atualmente, a Academia do Barro Branco tem 660 cadetes e cerca de 140 funcionários, além de ser responsável por formar os principais quadros da corporação.

Fonte: https://portaltpnews.com

Homem considerado maior ladrão de bancos do país é preso em SP

3 Um dos maiores ladrões de banco e joalherias do Brasil foi preso na manhã de 5ªfeira (2.dez), em Parelheiros, na zona sul de São Paulo. Alaelson Cruz Brandão vivia em uma chácara de luxo com a esposa e a filha, e foi capturado após uma denúncia anônima

Fonte: http://www.sbtnews.com.br

Policial do RJ admite ter disparado contra mulher após descobrir traição do marido; baleada morreu

1 Agente é investigada por homicídio e entregou arma e carteira funcional de policial civil; ela está solta e não teve a identidade revelada. Vítima tinha 25 anos e teria sido baleada durante briga com a policial.

Policial assume ter atirado em suposta amante do marido em Queimados; entenda

Em depoimento na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, a policial civil suspeita de assassinar Isadora Calheiros, de 25 anos, confirmou ter atirado na jovem na sexta-feira (26). Uma fonte na polícia disse ao g1 que a agente é formalmente investigada por homicídio doloso.

A policial, que não teve a identidade revelada e está solta, também declarou na delegacia ter descoberto uma suposta traição do marido com Isadora. Segundo a agente, o marido – com quem tinha reatado recentemente – e a vítima trocaram mensagens (o conteúdo ainda é desconhecido).

Também em depoimento, a policial afirmou ter contado sobre a situação para o namorado de Isadora, e que depois disso viu um "carro" perto da própria casa. O mesmo veículo, segundo o relato, foi visto na porta da casa da jovem.

A agente contou ter ido à autoescola onde Isadora trabalhava para falar sobre a presença do carro, mas não a encontrou. No dia seguinte, segundo a policial, Isadora foi à casa dela e a agente saiu armada. As duas mulheres brigaram e a policial admitiu ter atirado em Isadora.

Após depor na segunda-feira (29), a agente entregou a arma e a carteira funcional de policial, e foi liberada. Segundo a fonte, a policial tem um filho de 7 meses que está em período de amamentação.

Polícia investiga motivação

Isadora Calheiros, de 25 anos, foi morta em Queimados — Foto: Reprodução Redes Sociais

A família de Isadora Calheiros, de 25 anos, contou que ela tinha um envolvimento amoroso com o marido de uma policial civil, de família bastante conhecida na cidade.

A polícia investiga se o motivo do crime foi esse relacionamento. Depois de ser baleada, a mulher chegou a ser levada para a UPA de Queimados, mas chegou morta à unidade.

Isadora trabalhava como recepcionista numa autoescola e deixou uma filha de 6 anos, que tem deficiência física. O corpo de Isadora foi enterrado no sábado (27).

Mulher de 25 anos é morta a tiros na porta de casa, em Queimados

Mulher de 25 anos é morta a tiros na porta de casa, em Queimados

Fonte: https://g1.globo.com

SP: PCC usa 'coquetel' com cocaína e viagra para matar inimigos nas prisões

1 O preso Juliano da Silva Soares, 36, pode ter sido vítima do "coquetel da morte" na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP). Ele passou mal na cela 308, na manhã do último dia 26, foi atendido na enfermaria da unidade prisional, submetido a procedimento de urgência e transferido para a Santa Casa da cidade.

O coquetel da morte, mais conhecido no sistema prisional paulista como "gatorade", é uma mistura de cocaína, viagra e água e, quando ingerido, causa overdose. A fórmula foi criada pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) em meados dos anos 2000 para matar os inimigos.

Colunistas do UOL

Soares morreu no dia seguinte. No xadrez ocupado por ele e outros quatro presos foram encontrados no ralo do banheiro 5,14 g de cocaína, 8,11 g de maconha, 14 comprimidos de cor azul, 20 de cor branca e quatro de cor verde, todos aparentando ser estimulantes sexuais.

Os presidiários Alexsandro Aparecido Bonifácio Santana, Carlos Ronaldo Correa, Deives Aparecido Manoel, Sidnei Oliveira da Cruz e Wanderlei Macambira de Brito foram isolados preventivamente em regime de cela disciplinar pelo prazo de dez dias.

Procurada pela reportagem, a SAP (Secretaria Estadual da Administração Penitenciária) informou por meio de nota que a direção da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau abriu procedimento de apuração preliminar para checar os fatos.

Mistura fatal

Condenado a 62 anos e quatro meses por assaltos e latrocínio (roubo seguido de morte), Soares cumpria pena na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau desde 10 de novembro de 2009. Ele já havia passado por vários presídios e cometido ao menos dez faltas disciplinares graves no sistema prisional.

Em meados de 2003, o PCC adotou uma nova tática para matar seus inimigos. Trocou as facas afiadas feitas com ferros na prisão e o "kit forca" (banquinho e lençol para usar em enforcamentos) pelo "gatorade".

A mistura fatal causa overdose. Em muitos casos, a vítima morre em menos de meia hora. O PCC desenvolveu essa técnica com um objetivo: evitar a responsabilização criminal dos faccionados envolvidos nos assassinatos dos rivais. Os exames apontam como "indeterminada" a causa da morte.

O plano foi descoberto em 2005, na Penitenciária de Iaras (SP). Um diretor de disciplina apurou, a princípio, que os presos José Feliciano de Lima, Antonio dos Santos e Luciano Alves de Souza haviam sido encontrados mortos e a suposta causa seria overdose.

A farsa veio à tona após a morte de Roberto Cipriano, 33, em 17 de novembro de 2005. Na garganta dele peritos do Instituto de Criminalística encontraram uma tampa verde semelhante a de um refrigerante. Daí surgiu o nome gatorade. Inimigos da cela o seguraram e o fizeram tomar à força o coquetel.

O preso teve o dente incisivo superior quebrado e ferimentos na língua e nos lábios. O exame necroscópico assinado por um legista do IML de Avaré apontou "causa da morte indeterminada". O exame toxicológico acusou 0,3 g de álcool etílico (três decigramas por litro) no sangue de Cipriano.

De abril a novembro de 2005 outros cinco presos também morreram da mesma maneira na Penitenciária de Iaras: Sérgio Luiz Fidélis, 32, Carlos Luciano, 36, João Alves de Lima, 37, Anderson Dantas Pungirum, 31, e Rodrigo dos Santos Cruz, 27 anos.

Fidélis era ligado a José Márcio Felício, o Geleião, e César Augusto Roriz Silva, o Cesinha, fundadores do PCC e expulsos da facção na sangrenta guerra de 2002. O exame toxicológico apontou positivo para cocaína no corpo dele.

Toxicologistas do Hospital das Clínicas de São Paulo e da Faculdade de Medicina e Centro de Controle de Intoxicações da Unicamp disseram à época que o viagra dilata os vasos sanguíneos e se misturado à cocaína pode provocar falência cardíaca.

Os especialistas explicaram ainda que se a pessoa ingerir a droga e não tiver atendimento rápido corre o risco de morrer em consequência de overdose. Por falta de provas, o Ministério Público Estadual arquivou os casos das mortes suspeitas ocorridas em Iaras, no ano de 2005.

Sem conclusão, diz SAP

Segundo a SAP, não é possível concluir a causa da morte de Soares porque o laudo de exame necroscópico ainda não foi emitido pela Polícia Científica.

A nota diz também que a política da SAP é de não tolerância à entrada de ilícitos, inclusive entorpecentes em suas unidades prisionais, equipadas com aparelhos de scanner corporal, raios-x e detectores de metais, atrelados à vigilância constante dos agentes de segurança treinados, além de revistas periódicas nos presídios.

Segundo a SAP, de janeiro de 2021 até hoje foram realizadas 24 interceptações e apreensões na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, todas com visitantes dos sentenciados.

As disputas por poder e dinheiro dentro da principal organização criminosa do Brasil são narradas na segunda temporada do documentário do "PCC - Primeiro Cartel da Capital", produzido por MOV, a produtora de documentários do UOL, e o núcleo investigativo do UOL.

Fonte: https://noticias.uol.com.br/

Policial civil atira em sargento da PM dentro de casa de shows em Paranaguá

 O policial civil Rogério Ferreira Franco, de 47 anos, foi preso na madrugada deste sábado (13), após efetuar um disparo de arma de fogo dentro da casa de shows Showpanas, na Ponta do Caju, em Paranaguá. O tiro atingiu de raspão pescoço do sargento da reserva da Polícia Militar, Adailton Maia Passos, de 52 anos.

A situação teria ocorrido após Rogério, que é investigador da Polícia Civil, se envolver em uma confusão dentro do estabelecimento. Adailton, que estava trabalhando de segurança no local, teria sido ferido quando tentou tirar Rogério do local.

O delegado Nilson Santos Diniz foi chamado e deu voz de prisão ao investigador, que acabou encaminhado por policiais civis à Delegacia Cidadã, onde foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio. Uma pistola calibre 380 que estava com o atirador foi apreendida.

Adailton foi socorrido e encaminhado consciente para o Hospital Regional do Litoral (HRL). Imagens do sargento caído no chão foram divulgadas nas redes sociais e, posteriormente, uma mensagem de áudio, atribuída a ele, foi repassada, informando que se encontrava bem.

Veja o vídeo do PM baleado:1

A reportagem segue acompanhando os desdobramentos do caso e busca informações acerca do que teria acarretado a briga.

Fonte: https://jblitoral.com.br

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo       jornalismoinvestigativoTVSENADO   fundobrasil   Monitor da Violência – NEV USP   Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck   tpnews   naofoiacidente

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web