JORNALISTAMINI

Presídios estaduais são 'escritórios de organizações criminosas', diz juiz

e1611RUBENS VALENTE BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Coordenador geral do fórum permanente do sistema penitenciário federal do CJF (Conselho da Justiça Federal), o juiz federal Walter Nunes da Silva Júnior, 53, diz que as organizações criminosas querem comandar os presídios federais, a exemplo do que já fazem nos estaduais. Em maio, uma psicóloga que atuava em presídio federal do Paraná foi assassinada, segundo as investigações, pelo PCC (Primeiro Comando da Capital). O mesmo havia ocorrido em setembro de 2016 com um agente federal. Em junho, as visitas nos presídios federais foram suspensas após ameaças. Silva Júnior também é o corregedor do presídio federal de Mossoró (RN), onde estão alguns dos presos considerados mais perigosos do país, como os traficantes Fernando Beira-Mar e Elias Maluco, que matou o jornalista Tim Lopes. O juiz defendeu que seja revista a lei que estabelece um prazo máximo de um ano, em estabelecimento federal, para retorno dos presos oriundos de presídios estaduais. Leia trechos da entrevista. PONTO DE TENSÃO Quem manda em presídio [estadual] em geral são os presos. As grandes organizações criminosas no Brasil não só foram criadas dentro dos presídios, pela forma como são os presídios, como também funcionam a partir dos presídios. Os presídios são os escritórios oficiais das organizações criminosas. Então eles querem o presídio federal da mesma forma, eles querem mandar no federal, esse é o problema. MÁFIA Nos presídios federais, até 2014, não havia ninguém da alta cúpula de uma certa organização criminosa. O que é uma coisa estranha, pois é a maior que temos. [...] Essa organização trabalha um pouco como um sistema de máfia. [...] Toda a imagem é que ela manda no presídio. No presídio federal, entretanto, quem manda é o sistema. Um preso pode aparecer uma coisa dura ou que seja afrontosa aos direitos humanos, por exemplo, tem que abaixar a cabeça quando o agente penitenciário vai fazer qualquer procedimento com ele. Isso é para evitar a afronta. O tratamento é uniforme, para todos. Se ele não aceitar, não vai ter o procedimento. Haverá a punição, não vai ao banho de sol etc. Ele sofre e uma hora ele finda abrindo [aceitando]. ESCALADA Não existia a alta cúpula de uma certa organização criminosa em presídio federal, mas começou a chegar. O que aconteceu? Eles não conseguiram dominar o sistema, e foram dominados. E começaram a perder a imagem perante a população carcerária, não a federal, mas a estadual, 'ah, eles não são isso tudo'. [...] Pois bem, esses grupos atuam primeiro tentando corromper. Não conseguindo, vão para a ameaça. Não surtindo efeito, vão para a execução. Depois disso em conversas nossas internas, eu dizia isso direto, resultado é que começaram a matar agentes. E aí teve um absurdo que circulou, um ofício de um alto servidor público de Porto Velho dizendo que um preso falou de ameaças, inclusive contra um juiz. REGIME Nós temos os regimes aberto, semi-aberto e fechado, disciplinados em lei para esses presídios e também os estaduais, e o RDD, que é o regime mais duro. Digo que precisamos criar um quinto regime, que é um meio termo entre o RDD e o fechado em um presídio federal de segurança máxima com características próprias. Quais são? As celas são individuais. O que nos garante de antemão que não tem superlotação, que é o problema maior de todo e qualquer presídio. Fora o horário de banho sol, o cidadão fica recolhido numa cela 22 horas do dia. Só duas horas para o banho do sol, visita social e visita íntima. Nos 11 anos de funcionamento nunca houve nenhuma fuga e nenhuma rebelião, porque o sistema é realmente seguro. O presídio federal é aquele Brasil que dá certo. Mas quando a gente debate: 'Há pontos que merecem revisão?' Não tenha dúvida. [...] O federal é a prova de fuga, mas não é a prova de 'salve' [orientações emitidas pelos presos para fora do presídio]. Ora, se o preso tem visita íntima, não tem quem impeça que ele passe as ordens de 'atacar os ônibus, destituir o chefe do tráfico etc'. Não vai acabar nunca. A gente está rouco de dizer isso. PRAZO Em 2006, o primeiro presídio federal ficou pronto e não tinha lei. Já havia um preso para ser colocado lá, Fernando Beira-Mar, e foi editada uma resolução pelo CJF para reduzir um problema existente no momento. O conselho disse: 'Olha, não é matéria para ser regulada por resolução, tem que ser lei, mas nós vamos editar pelo prazo de um ano e aí cuidem de aprovar a lei no prazo de um ano'. [...] Resultado: o Executivo entendeu a questão e editou a lei 11.671. Qual o problema? Eles basicamente pegaram a resolução, que foi feita sem um estudo maior, premido pela necessidade, e transformaram na lei. Aí tem essa coisa prosaica. A lei diz que o prazo máximo de permanência de um preso em presídio federal é de 360 dias. Por quê, de onde vieram esses estudos? Eu respondo: de canto nenhum. Foi da história da vigência da resolução por um ano. 'BANDIDO LONGE' Nós temos essa coisa absurda, a história de 'que bandido bom é bandido morto'. Nesse ambiente, a gente está criando um outro estigma que seria 'bandido bom é bandido longe'. Para alguns Estados é como querer se livrar de um problema. Está tudo superlotado, não tem onde botar preso, e quando ele [Estado] tem uma oportunidade, quer se livrar do problema. O presídio federal não é para esse fim, não é para resolver o problema da superlotação. PRIVATIZAÇÃO O presídio federal é a prova viva de que a solução não é privatização, a solução é o Estado assumir com responsabilidade e inteligência essa área sensível. E mostra que o Estado é capaz, sim. É um sistema que funciona. A solução para os Estados é seguir esse modelo. Quando se fala em presídio, há três coisas que são o tripé de toda e qualquer coisa: infraestrutura, que resolve o segundo problema principal que é a superlotação carcerária, e a outra é ter agentes penitenciários qualificados. É um trabalho complicado. Nós precisamos de gente muito qualificada porque senão ele vai ter a tendência de ser arbitrário, é o exercício de um poder muito forte que ele tem sobre um preso. CAUSAS Para você, qual é imagem da Justiça brasileira? Que ela é ineficiente, morosa, permissiva. Porém, de 1995 a 2012 nós tivemos um crescimento da população carcerária de quase 400%. Em 2012 foi quando ultrapassamos a barreira dos 300 mil presos. Hoje, segundo dados de 2016 do CNJ são 600 mil e poucos presos. Ou seja, o dobro em cinco anos, um crescimento exponencial. Agora pergunto, está resolvendo o problema? Ou a gente está criando o problema? Então o problema não é a Justiça decretar a prisão. O Brasil prende? Prende e muito. Mas prende muito mal. Nós temos a quarta população carcerária do mundo, atrás de EUA, China e Rússia. A gente precisa fechar a porta de entrada, e para isso as políticas sociais, e abrir a de saída. VULNERÁVEL A gente vai ter que criar políticas públicas e ter uma expertise maior, uma inteligência maior, para saber quem vamos mandar para a prisão. É impressionante a quantidade de pessoas do sistema carcerário semianalfabetas. Como [o escritor] Victor Hugo [1802-1885] dizia, para cada escola destruída é um presídio construído. Passa antes de tudo por tentar trabalhar com as causas.

Fonte: bemparana 

Marcola virou chefe do PCC depois que decidiu colaborar com a polícia, diz procurador de Justiça

Revelações estão em livro de procurador que será lançado nesta semana; 'Ele (Marcola) queria ser líder do PCC. Mas de que maneira ele neutralizaria Cesinha e Geleião? Ele virou um informante', narra

e1411SÃO PAULO - Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, era um informante da polícia e entregou aos investigadores do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Polícia Civil paulista, os número de telefones usados por José Márcio Felício, o Geleião, e Cesar Augusto Roriz Silva, o Cesinha. Tudo isso para poder ascender ao comando da mais importante organização criminosa do País, o primeiro Comando da Capital (PCC). A revelação está no livro Laços de Sangue, do procurador de Justiça Márcio Sérgio Christino, responsável durante quase uma década pelas investigações envolvendo o PCC no Ministério Público de São Paulo. Seu livro tem apresentação do delegado Ruy Ferraz Fontes, então responsável pelas investigações contra o PCC. .

+ Estado fez acordo com PCC para cessar ataques, diz depoimento

A informação até agora mantida sob sigilo pela policia e pelo MPE está na página 105 do livro. “Depois de ascender à liderança, o vaidoso Marcola, o Playboy, almejou mais. Ele queria ser líder do PCC. Mas de que maneira ele neutralizaria Cesinha e Geleião? Ele virou um informante – foi ele quem entregou para a polícia os números dos telefones usados por Zé Márcio e por Cesinha”, escreveu o procurador. Teria sido ainda Marcola quem entregou à polícia as centrais telefônicas mantidas pela facção em 2001 e 2002.

A informação até agora mantida sob sigilo pela policia e pelo MPE está na página 105 do livro de Christino Foto: Nilton Fukuda/Estadão

As informações teriam sido fornecidas à polícia pela sua advogada Ana Olivato. Com a descoberta das centrais, a administração penitenciária teve o motivo para isolar os dois líderes, deixando o caminho aberto para a ascensão de Marcola. O telefone de Geleião revelou que ele ligava para uma mulher – Sueli Maria Rezende – que fazia as transferências de chamadas. Ao todo, a polícia descobriu mais de 30 centrais, segundo o procurador. Pelos telefones, então, os presos combinavam assaltos, atentados, tráfico e até sexo.

Esse foi o caso do atentado contra a delegacia de Sumaré, em 15 de março de 2002, quando a facção matou dois policiais. O atentado contra o Fórum regional de Guaianazes também foi detectado pelas escutas telefônicas. O crime aconteceu no dia 18 de março de 2002. Os ataques eram determinados por Cesinha. Geleião queria detonar uma nova megarrebelião em presídios, como a de 2001. Com base nas interceptações, até mesmo uma ligação entre uma tia de Marcola e um sobrinho de Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar foi monitorada pela polícia.

Durante as interceptações, Marcola não aparecia. Quando o Deic resolveu fazer a operação para tentar desarticular a facção em 2002. Marcola, segundo o procurador foi levado sob disfarce para o Deic. Retornou então para o sistema prisional “sem prejuízo”. “Sua intenção de isolar as lideranças tinha sido bem-sucedida, enquanto ele permaneceria ativo na organização.” Depois da operação, Cesinha e Geleião foram isolados no presídio de Presidente Bernardes,  no regime disciplinar diferenciado (RDD). E assim o MPE conseguiu as provas para a primeira denúncia contra Geleião e Cesinha por chefiarem a facção.  

"Esta obra vem a público em momento oportuno, fazendo um apanhado histórico e um estudo aprofundado do nascimento e crescimento da organização criminosa", escreveu Fontes, que era delegado que chefiou a operação do Deic, sobre o livro. A reportagem do Estado contatou a defesa de Marcola no início da noite desta quarta-feira, 8, que preferiu não se manifestar sobre o assunto. 

Negociação. Em outro trecho, procurador descreve como agentes que representavam o Estado de São Paulo negociaram com Marcola para que o chefe do PCC parasse a onda de ataques contra policiais, funcionários do governo, prédios públicos e ônibus do transporte público em 2006. O procurador conta que mesmo depois do assassinato do juiz Antonio Machado Dias, corregedor de Presidente Prudente, Marcola continuou pressionando o Estado e este cedia. E cita os casos do uniforme dos presos – que deve ser laranja e por exigência de Marcola continuou bege – e o aumento do número de visitas adultas que um preso podia receber (2 de para 4).

Por fim, Marcola exigiu que fossem instaladas TVs de plasma na penitenciária de Avaré, onde estava para poder assistir aos jogos da Copa do Mundo de 2006. Como lhe negaram este pedido, Marcola determinou a realização de uma "serie de microrrebeliões". “O Estado entendeu o recado e, com receio de que fossem deflagradas rebeliões em âmbito estadual, cedeu. “As TVs foram instaladas não nas celas, mas na área comum da penitenciária. Para reagir a esses ambiente, a Administração Penitenciária resolveu isolar todos os líderes do PCC em um único presídio: a Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. Quando o fez, desencadeou a reação: os ataques de 2006.

Foi então que um delegado, uma advogada de uma  ONG ligada à facção e um dos corregedores do sistema prisional foram a Presidente Venceslau negociar com Marcola. Por meio de seu porta-voz, Marcola concordou em dar a ordem para cessar os ataques desde que a tropa de choque respeitasse os presos na retomada dos presídios rebelados. “Aproximadamente 24 horas depois, eles (os ataques) haviam cessado.” “Mais uma vez, Marcola havia conseguido. O Estado mandou uma equipe representando sua alta hierarquia para negociar com ele o fim de uma ação que estava corroendo a imagem do próprio Estado, a dias das eleições. Outro gol de Camacho”, escreveu o procurador.

Leia trechos do livro Laços de Sangue - A história secreta do PCC

Pág. 105 e 106: "Depois de ascender à liderança, o vaidoso Marcola, o Playboy, almejou mais. Ele queria ser o líder do PCC. Mas que maneira ele neutralizaria Cesinha e Geleião? Ele virou um informante - foi ele quem entregou para a polícia os números dos telefones usados pelo Zé Márcio e por Cesinha. Foi ele também quem indicou a existência de centrais telefônicas. É preciso esclarecer que, paralelamente a essa estratégia de Marcola, de neutralizar Geleião e Cesinha, tornando-se um informante do sistema, o sistema também tomava decisões para conter os dois, que eram fortes lideranças dentro do PCC, mais fortes que Marcola naquele momento. (...) Pelos telefones que Marcola havia fornecido, por meio de sua advogada na época, Ana Olivatto - assassinada tempos depois - usados por Geleião e Cesunha, chegou-se às centrais. E elas iriam revelar o que os membros do PCC estavam tramando. Foi um grande passo no combate à organização."

Fonte: estadao

RJ bate recorde de fuzis apreendidos em um ano: 393 entre janeiro e setembro

Número já é maior do que o registrado em todo o ano de 2016, segundo o governo. A média é de mais de um fuzil apreendido por dia. Junho foi o mês com maior número de apreensões em 10 anos: 93 armas.

Mais de 3 mil fuzis apreendidos no Rio entre 2007 e 2017

De 2012 até 2017, estado registra cinco altas seguidas de apreensões de fuzis
0811

e0811O ano de 2017 bateu o recorde de fuzis apreendidos no Estado do Rio de Janeiro nos últimos 10 anos. Um levantamento feito pelo G1 a partir de dados do Instituto de Segurança Pública mostrou que, entre janeiro e setembro deste ano, 393 fuzis foram apreendidos no Rio. A média é de mais de um fuzil apreendido por dia no Estado.

 

Em dez anos, o número chega a mais de 3 mil. Na comparação entre 2008, que tem o menor número da série, e este ano, o número de apreensões subiu 114,7%. 

 

Em 2017, junho foi o mês com mais apreensões em 10 anos : foram 93, sendo 60 deles apenas no aeroporto do Galeão. No mês seguinte, no entanto, o número caiu drasticamente para 19. Após dois meses de queda, mais uma subida: em setembro foram 46 apreensões, o maior número depois de maio e junho, com 73 e 93 fuzis apreendidos, respectivamente.

 

Apontado pela Polícia Civil como o responsável pelo envio das armas para o Galeão, o brasileiro Frederik Barbieri está foragido. Ele nega as acusações. Investigações apontam que as armas foram pedidas pelo traficante Rogério 157, um dos pivôs da guerra que aterrorizou os moradores da Rocinha em setembro deste ano.

 

 

Como o Instituto de Segurança Pública ainda não divulgou os dados de outubro, os números serão ainda maiores: recentemente, a Polícia Militar apreendeu o 300º fuzil em operações da corporação somente em 2017 - número que não inclui as armas apreendidas por outras forças, como a Polícia Civil. 

 

Recentemente, traficantes foram flagrados com fuzis durante um baile funk em uma das comunidades do Complexo da Maré. 

 

 

Fonte:G1

CORRUPÇÃO NA CHEFIA DA "C.O.R.E", E ACORDOS COM O TRÁFICO, SÃO VERDADEIROS RESPONSAVEIS POR MORTES DE AGENTE DE SEGURANÇA DO ESTADO

TRIBUNA PENITENCIÁRIA JÁ HAVIA RECEBIDO DENUNCIAS SOBRE CORRUPÇÃO NA CÚPULA DA CHEFIA DE POLICIA CIVIL E DE MEMBROS DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO.

e3010"Não me importaria com corrupção (desculpem-me por pensar assim) se vidas não estivesse em jogo. A CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais) apesar de tudo e uma Unidade honrosa e respeita tudo que for licito e não deve ficar a mercê de quem a usa para interesses próprios.
Estive ha 15 anos na Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e não vi outra forma senão denunciar para os órgãos de comunicação as irregularidades ocorridas naquela Unidade Especial visto que sua cúpula de Comando se omite diante da crescente onda de violência contra agentes da lei em casos que poderia intervir e nada fez.
Comunico, além disso, o fato da Chefia daquela Unidade estar corrompida em virtude de “vazamento” de operações e impedimento de sua tropa reprimir o trafico ilícito de drogas em determinadas comunidades cariocas (ex. morro do Timbal, comunidade da serrinha, Complexo da mare, complexo do Jacarezinho).
Que a ligação da chefia da CORE com facções criminosas se faz através de advogados de criminosos e não se sabe ate onde há cobertura pela cúpula da segurança publica e por isso tal caso não foi levado à corregedoria e nem ao sindicato da classe.
Há cerca de um ano atrás, esta Unidade estaria reprimindo o trafico de drogas nas localidades do Jacarezinho e Manguinhos porem sem nenhuma justificativa, a Chefia da CORE suspendeu tal repressão ocasionando com isso a vasta onda de violência contra agentes da lei tanto policial militar quanto policial civil. Que criminosos daquela facção circulam ao redor da Cidade da Policia demonstrando seu poderio bélico. Que em certa ocasião, Policiais militares estavam encurralados nesta comunidade que fica ao lado da Cidade da Policia e os mesmo careciam de apoio e esta Unidade Especial contava com uma equipe de pronto emprego pôr não fora autorizado pela sua chefia tendo em vista que a mesma argumentou depender de autorização do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) para o auxilio. Que pelo excessivo decorrer de tempo, policiais perderam suas vidas sem ter ao mínimo uma resposta justa contra seus algozes e nada foi feito.
Que mais a frente foi descoberto que tal autorização do CICC nunca existiu.
Que esta Chefia dispõe de um veiculo blindado onde este só e usado para seus interesses próprios nas operações que possam acarretar em “espolio de guerra” e que e quase impossível à tropa fazer uso desde veiculo mesmo em situações de grande risco.
Ressalta que há 4 veículos blindados naquela unidade sendo que 2 estão parados por problemas mecânicos, 1 que e conhecido como mamute esta sendo utilizado pela tropa, porem quase sempre esta com problemas e quanto esta inoperante, a tropa fica sem condições de operar com veiculo blindado já que aquele que a chefia disponibiliza (chamado de blindadinho) e quase que proibido ser utilizado pela tropa.
Complemento o fato de haver uma cultura obscura onde subordinados sabem das irregularidades de seus superiores e que mesmo não fazendo parte da corrupção, nada faz visto temer retaliações e perseguições no âmbito desta instituição.
Que aquela chefia utiliza-se de atos realizados por seus subordinados para se auto promover como elogios e bravuras, onde os mesmos nunca estiveram nas ações honrosas realizadas por aqueles (subordinados)
..........

Que solicita apoio ao MP e órgãos de investigação federal para apurar tais denuncias".
NÓS DA TRIBUNA PENITENCIÁRIA RJ, ESPERAMOS QUE AS AUTORIDADES OUÇAM ESTE PEDIDO DE SOCORRO!!!!
SEGUNDO RELATOS, O POLICIAL AUTOR DA CARTA,  TAMBÉM ENVIOU O DOCUMENTO A DIVERSOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE GRANDE CIRCULAÇÃO NO ESTADO, ENTRETANTO NÃO TIVERAM CORAGEM DE PUBLICAR OU TALVEZ ATÉ POR OUTROS MOTIVOS DISTANTES DE NOSSOS "ENTENDIMENTOS E COMPREENSÃO".

Fonte: tribunapenitenciariarj

Recalcatti beneficia municípios da RMC com viaturas policiais

Por indicação do deputado Delegado Recalcatti, sete unidades da Polícia Civil de Curitiba e Região Metropolitana receberão viaturas por meio de convênios com a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária. “Estamos finalizando as tratativas para a destinação das viaturas que devem ser entregues em breve”, explicou Recalcatti

e2010A previsão é de que as autorizações para a aquisição dos veículos devam ser assinadas em solenidade no Palácio Iguaçu na semana que vem. Curitiba será beneficiada com duas viaturas descaracterizadas modelo Gol que serão destinadas para a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DRFV) e para o 13º Distrito Policial, no bairro do Tatuquara.

As Delegacias de Quatro Barras e de Cerro Azul também receberão veículos Gol descaracterizados. “Essas viaturas são utilizadas rotineiramente no trabalho policial, principalmente em investigações”, explicou Recalcatti. São José dos Pinhais, Araucária e Almirante Tamandaré receberão viaturas Duster, também descaracterizadas.

O deputado Recalcatti indicou ainda a destinação de viaturas policiais para nove municípios do interior: Foz do Iguaçu, Ponta Grossa, Umuarama Iretama, Itaipulândia, Reserva, Tomazina, Toledo e Maringá. “O governo estadual tem investido bastante na aquisição de viaturas e equipamentos, o que tem dado um fôlego para o trabalho policial em todo o estado”, elogiou.


---


FOTO: Pedro de Oliveira / Divulgação Alep

LEGENDA: Recalcatti destina viaturas para Delegacias da RMC


--

MAIS INFORMAÇÕES

Assessoria de Imprensa

41-99873-6353 (Whatsapp)

41-3350-4335 (Gabinete)


Gabinete Deputado Delegado Recalcatti

Assembleia Legislativa do Paraná

Gabinete 605 - Edifício dos Gabinetes

Pça. Nossa Senhora de Salete S/N

Curitiba - Paraná - CEP 80.530-911

Mais artigos...

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web